A Pedra de Construção e de Tropeço

de Mozart Correia Lima

 



 

Chegando Jesus à região de Cesaréia de Filipe, perguntou aos seus discípulos: “Quem os outros dizem que o Filho do homem é?”
Eles responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros, Elias; e, ainda outros, Jeremias ou um dos profetas”.
“E vocês?”, perguntou ele. “Quem vocês dizem que eu sou?”
Simão Pedro respondeu: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”.
Respondeu Jesus: “Feliz é você, Simão, filho de Jonas! Porque isto não lhe foi revelado por carne ou sangue, mas por meu Pai que está nos céus. E eu lhe digo que você é Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do Hades não poderão vencê-la. Eu lhe darei as chaves do Reino dos céus; o que você ligar na terra terá sido ligado nos céus, e o que você desligar na terra terá sido desligado nos céus”.
Mateus 16:13-19 (NVI)

Pedro foi um discípulo de Jesus de grandes contrastes, de altas e baixas, de grandes acertos e grandes mancadas. Mas, uma coisa que temos que admirar em Pedro – apesar das suas falhas e tropeços, ele sempre continuou crescendo, amadurecendo e progredindo. Tudo isso se deu em sua vida porque ele continuava com Jesus.

Na ocasião em que Jesus perguntou aos discípulos quem “os outros” diziam que ele era, Mateus registra que pelo menos alguns deles falaram. “Eles responderam” diz Mateus. Ou seja, pelo menos dois ou três ou mais comentaram.

O que se percebe pelos comentários dos discípulos é que havia uma certa confusão a respeito da pessoa de Jesus. O povo estava dividido. Uns diziam uma coisa, outros outra. A situação naquela época é parecida com o mundo de hoje. Há quem diga que Jesus era um grande homem, até um profeta. Outros grupos dizem que ele era um espírito elevado, no último estágio de desenvolvimento. Outros afirmam que ele nada mais era que um ser humano comum, só que super-dotado de inteligência e carisma.

Mas, quando Jesus pergunta aos discípulos quem eles diziam que Jesus era, logo Pedro se destaca com a resposta. Note que a pergunta foi dirigida ao grupo “E vocês”? Jesus pergunta. Mas, Pedro responde logo, como se fosse por todos. A resposta de Pedro, talvez precipitada, contudo é certeira – “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”.

Vemos em Pedro uma disposição de adiantar-se, e confessar uma verdade que não está nem um pouco de acordo com a opinião popular, e até em choque com a posição oficial dos líderes religiosos da época.

Que ousadia e coragem. Que convicção e fé Pedro tinha. Quem não queria ousadia e fé assim? Quem não queria ficar no lugar de Pedro e ouvir as palavras de elogio e confirmação do Mestre?

Mas, logo em seguida, vemos Pedro mais uma vez falando, só que desta vez para sua própria vergonha.

“Desde aquele momento Jesus começou a explicar aos seus discípulos que era necessário que ele fosse para Jerusalém e sofresse muitas coisas nas mãos dos líderes religiosos, dos chefes dos sacerdotes e dos mestres da lei, e fosse morto e ressuscitasse no terceiro dia. Então Pedro, chamando-o à parte, começou a repreendê-lo, dizendo: ‘Nunca, Senhor! Isso nunca te acontecerá!’ Jesus virou-se e disse a Pedro: ‘Para trás de mim, Satanás! Você é uma pedra de tropeço para mim, e não pensa nas coisas de Deus, mas nas dos homens’.” Mateus 16:21-23 (NVI)

Num momento Pedro podia confessar a Jesus como o enviado de Deus, e logo em seguida mostrar que nada entendia da sua missão como Messias. Ao insistir que Jesus não podia ir à cruz, Pedro negava aquilo que fazia de Jesus o Cristo. Se Jesus tivesse seguido o entendimento de Pedro, não só Pedro, mas, toda a raça humana teria sido perdida.

Que falta de entendimento! Que ignorância dos propósitos de Deus! Aquele, cuja fé foi chamado uma Pedra para edificar a igreja, foi taxado de pedra de tropeço.

O discípulo mais simples hoje entende o que Pedro quis discutir com o próprio Jesus. Como é que isso podia suceder? Como é que um homem de uma fé tão forte e firme podia ao mesmo tempo não compreender a missão do Messias e o plano de Deus para a salvação?

O fato é que qualquer discípulo é capaz de não entender algum aspecto da vontade de Deus. O próprio Pedro mais tarde escreveu que há ensinamentos na Bíblia difíceis de entender (2 Pe 3:16). Quem pode afirmar que entende tudo que a Bíblia ensina? Vemos em Pedro que até um discípulo bem chegado a Jesus era capaz de confundir as coisas. E nós hoje?

O importante a apreender desta história é que precisamos da fé que Pedro tinha. Mas, ninguém é discípulo por compreender tudo, e sim por confiar unicamente e completamente em Jesus. Com a repreensão de Jesus, Pedro, sem dúvida deve ter ficado constrangido, envergonhado e humilhado. Mas, ele não deixou de seguir Jesus. E, este é o ponto mais importante da história, a fé dele em Jesus era muito maior que a fé dele no seu próprio conhecimento, sabedoria ou entendimento das Escrituras.

A fé de Pedro estava depositada totalmente em Jesus. Entendendo ou não o presente ou o futuro, compreendendo ou não as próprias Escrituras, Pedro sabia que o mais importante era confiar em Jesus e continuar com Ele.

Pouco tempo depois, Jesus demonstrou o quão grande é a fé de um discípulo. Apesar da falha de Pedro e da repreensão dura que Jesus lhe deu, seis dias depois Jesus o chamou para um dos momentos mais marcantes da sua vida aqui na terra.

"Seis dias depois, tomou Jesus consigo a Pedro e aos irmãos Tiago e João e os levou, em particular, a um alto monte. E foi transfigurado diante deles; o seu rosto resplandecia como o sol, e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz. E eis que lhes apareceram Moisés e Elias, falando com ele." Mateus 17:1-3

Naquela ocasião, se lemos um pouco adiante, Pedro cometeu outro gafe ao sugerir que fossem feitas tendas para Jesus, Moisés e Elias. Mas, o importante da lição é visto logo no início. O discípulo que se viu como pedra de tropeço uma semana antes, agora se viu ao lado de Jesus num dos momentos mais extraordinários da sua vida aqui na terra – e a convite pessoal do Mestre.  

Jesus se importa com o nosso entendimento, com a nossa compreensão da vontade de Deus. E, como discípulos verdadeiros, devemos sempre buscar conhecer e obedecer cada vez mais a Palavra de Deus. Mas, o mais importante, o mais crucial em tudo é algo que o próprio Deus nos dá – fé em Jesus. Creia em Jesus, confie em Jesus e continue com Jesus até o fim. Disso aí, você nunca vai se arrepender.

 

 

Copyright © 2005 Mozart Correia Lima. Todos os direitos reservados.