Partir para a glória

de Dennis Downing

 



 

Numa mensagem que reproduziremos ainda esta semana, Danilo Sousa, um dos autores que temos publicado no site iluminalma, fez uma constatação surpreendente sobre funerais e enterros. Danilo escreveu sobre a partida de alguém desta vida, só que do ponto de vista do céu: “O céu se alegra com uma reação de maternidade a funerais. Os anjos vêem os enterros dos corpos do mesmo jeito que os avós monitoram as portas das salas de parto. ‘Ele sairá a qualquer minuto!’ Eles mal podem esperar para ver a pessoa que está chegando. Enquanto nós dirigimos carros funerários e vestimos preto, eles estão pendurando fitas rosas e azuis e distribuindo charutos.”

Concordo em parte com Danilo. Deve ser com muita alegria que nosso Salvador e os anjos do céu aguardam a chegada dos eleitos. O malfeitor que confessou sua esperança em Jesus ouviu a promessa de que, naquele mesmo dia, estaria junto com o Senhor no Paraíso (Lc 23:43). Se o que Jesus disse significa o que eu espero, então logo que saímos daqui estaremos, sim, na presença do Senhor. E isso, não só para nossa alegria, mas, para a alegria do céu inteiro. Que comemoração deve ser!

Mas, há um outro lado para esta história. Ao ler a reflexão animadora de Danilo, não consegui me livrar de um pensamento. E, aqueles que não estão com Jesus? Se há comemoração no céu com a chegada lá dos salvos no Senhor, como fica a situação daqueles que não estão em Cristo? Aí, me lembrei de Ezequiel 33:11 “Juro pela minha vida”, palavra do Soberano, o SENHOR, “que não tenho prazer na morte dos ímpios, antes tenho prazer em que eles se desviem dos seus caminhos e vivam.” Como deve entristecer Deus ver um dos seus filhos, destinados à vida eterna, criado para habitar nos lugares celestiais, e por quem o próprio Filho de Deus morreu, desperdiçar a graça de Deus. Como o dia da morte de quem não tem Cristo deve ser um dia triste para nosso Pai!

Para nós é triste pensar que nunca mais veremos aquele ente querido aqui na terra. Nunca mais ouviremos sua voz, ou sentiremos seu abraço. Se esta pessoa morreu em Cristo, um dia a veremos de novo e, se nós também vivermos na luz, estaremos com ela para uma eternidade feliz. Que dia de alegria e comemoração! Mas, Deus sabe que o dia da morte de um dos seus queridos que morreu fora de Cristo significa que aquele filho estará perdido para eternidade, uma dimensão cuja magnitude, talvez pela graça de Deus, não consigamos compreender.

Por aqueles que já partiram desta vida, nada mais podemos fazer. O autor da carta aos Hebreus resumiu em poucas palavras a situação de todos quando lembrou “como o homem está destinado a morrer uma só vez e depois disso enfrentar o juízo.” (Hebreus 9:27) Nada podemos fazer por aqueles que já partiram. Mas, ao ir a um velório ou enterro, ou no dia de Finados, é bom lembrarmos que há pessoas que ainda podem ser alcançadas pela graça de Deus. É bem como Pedro lembrou, o Senhor “é paciente com vocês, não querendo que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento.” (2 Pedro 3:9).

Será que estamos vendo as oportunidade que Deus ainda está nos dando? Podemos colocar flores em túmulos e derramar lágrimas de saudade. Mas, o fato é que nada mais podemos fazer para aqueles que já partiram. Alguns, como Danilo bem lembrou, foram recebidos com uma festa de alegria no céu. E aqueles colegas, amigos, parentes e irmãos que ainda não conhecem a Jesus? Será que não queremos que haja festa na chegada deles também? Então vamos lá, vamos ajudá-los a conhecerem a Jesus. Vamos falar com eles sobre o Salvador que morreu por eles, e que, mais do que ninguém, deseja que a partida deles desta vida seja marcada, não com tristeza e dor, mas, com alegria e júbilo celestial. Isto sim, é partir para a glória.

Para mais reflexões sobre a esperança que Jesus pode nos dar diante da morte, veja a seção especial "Jesus e a morte", na área de "Mensagens" do site www.hermeneutica.com/mensagens/


  Copyright © 2010 Dennis Downing. Todos os direitos reservados.